Um pouco sobre mim

Minha foto

Tendo exercido atividades nas áreas de Administração de Bens, jornalismo, marketing, agricultura e mineração. Atualmente se dedica a produção de livros, tendo traduzido para o idioma português as obras: "Os Deuses Atômicos", "O Irmão Branco", "Fraternidade" e "AUM". É de sua autoria "O Livro da Lei para o Povo Suplicante". Pratica Astrologia Esotérica, ocultismo e exerce atividades como: escritor, palestrante e atividades sociais.

Idiomas

English French German Spain Italian Dutch Russian Hindi Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Um pouco sobre o Blog ...

Este Blog abrange todo o nosso aprendizado nestes 54 anos de estudos onde percorremos as escolas compreendidas pelo espiritismo, cristianismo, teosofia, budismo, zen-budismo, hinduísmo, rosa-crucianismo e gnose, não descurando da astrologia, astronomia e todas as ciências físicas com suas derivações.

terça-feira, 19 de março de 2013

O HOMEM, SEUS RITMOS E OS RITMOS DO COSMO



O Universo (ou o Macrocosmo) é um organismo vivo que pulsa e se manifesta dentro de um ritmo integral, onde nada se perde (ou deixa de ser) e tudo se transforma, obedecendo a uma ordem cujo vir a ser realiza-se em curvas que se completam ao voltarem ao mesmo ponto, de onde renascem para uma vivência numa oitava superior.
Para melhor compreender a interação do homem com o cosmo, enunciaremos, a seguir, alguns fatos que justificam as afirmações dos antigos sábios-sacerdotes ao afirmarem que o que está em cima é igual ao que está embaixo, ou seja, o Macrocosmo é semelhante ao Microcosmo.

Por exemplo:


O sol, para percorrer um grau da eclíptica zodiacal leva 72 anos.
Para percorrer os 30o de um dos signos de que é constituído o zodiaco, o Sol leva (30o x 72 anos =) 2.160 anos.
Como o Zodíaco tem 12 signos e o Sol gasta 2.160 anos para percorrer cada signo, se multiplicarmos 12 x 2.160 encontraremos o número de 25.920 anos que é o tempo que o Sol leva para percorrer uma volta inteira no Zodíaco  e regressar ao mesmo lugar no qual esteve há 25.920 anos passados.
Portanto, para completar a eclíptica zodiacal (precessão dos equinócios), partindo de Áries, por exemplo, até chegar a Áries novamente, o nosso Sol leva em torno de 25.920 anos.

Pergunto: O que isso tem a ver conosco?

Vejamos: Normalmente, em 1 minuto o ser humano realiza 18 respirações (padrão de normalidade de um ser humano saudável).
Disto podemos ver que, em 1 hora (60 minutos) são realizadas (60 x 18 =) l.080 respirações.
Ora, como o dia tem 24h e o ser humano realiza 18 respirações por minuto é fácil verificar, se multiplicarmos o número de respirações que realiza em 1 hora (1080) por 24 horas (um dia), que ele realiza normalmente, durante o dia (1.080 respirações x 24 =) 25.920 respirações, ou seja, o mesmo número, em anos, que o Sol gasta para percorrer todo o Zodíaco saindo de um signo e voltando para o mesmo depois de percorrer todos. 

Coincidência? Pelo que tenho aprendido, não!

Esta conclusão, que poderia ser uma casualidade, não o é, pois a Ciência Espiritual sempre procurou, através do próprio homem (o microcosmo) o entendimento do Macrocosmo, O Criador, o organismo maior, do qual cada ser humano é uma réplica, principalmente se considerarmos nosso corpo a nível atômico, onde cada átomo é um sistema solar, cada molécula uma constelação, cada célula uma galáxia, cada órgão um aglomerado de galáxias (um “muro”, como são conhecidas pelos Astrônomos atuais) e o corpo humano, a expressão de algo divino, como Divino é o Corpo do Grande Ser onde nós vivemos, nos movemos e temos o nosso Ser (Atos dos Apóstolos, cap. 17, versic. 28).

Outro fato interessante:

Como sabemos, para melhor compreender o eterno ritmo a que está sujeito o nosso sistema solar e suas relações com o ser humano, os antigos sábios idealizaram a circunferência dividindo-a em 360 graus, cada grau equivalendo a 4 minutos. Desta forma, a circunferência, expressa em minutos, tem (360 x 4=) 1.440 minutos.
Verificaram também que, normalmente, em 1 minuto ocorrem 72 batidas do coração (padrão normal de uma pessoa saudável) daí que em 60 minutos (1 hora) o coração bate 4.320 vezes.
É interessante observar que os Hindus afirmam que em cada respiração completa que realizamos produzimos o que denominam um Manvantara  e um Pralaya também completos, ou seja, a criação de um Universo, sua manutenção, sua extinção e um período de repouso (Aspiração, retenção, respiração e repouso, tudo isto ocorrendo dentro de nosso corpo, onde:

1) ao aspirarmos introduzimos em nós novas vidas atômicas para nossa própria manifestação,
2) no intervalo entre uma aspiração e uma respiração, mantemos estas vidas conosco para expressarem nossa verdadeira Realidade no plano físico,
3) ao respirarmos, expelimos essas vidas atômicas com a experiência necessária as nossas manifestações futuras e,
4)  ao descansarmos (Repouso, Pralaya), incorporamos à Realidade (Deus no Homem), o espiritual, o mais sutil, a essência eterna do processo realizado).

Para os hindus, tanto a expressão do Universo como a do homem é realizada através da medida de tempo conhecida por “tattwa”, ou seja, a energia que modifica a intensidade e a qualidade de nossas respirações durante as 24 horas do dia.
Na filosofia hinduísta, o número 72, ou seja, o número de batidas do coração que o ser humano realiza por minuto e que corresponde também ao número de anos que o Sol leva para percorrer 1° (um grau) da eclíptica zodiacal, é considerado o símbolo da vida ou o número do homem.
Para eles, toda a cosmogonia existente poderia ser conhecida apenas pelo conhecimento do número de respirações e pulsações do ser humano, conforme será demonstrado em seguida.  Precisamos apenas conhecer seus fatores básicos que são:

1 tattwa se expressa durante 24 minutos, com um tipo de intensidade de respiração, que pode ser:

a) curta (akasha, com fluxo de 2 dedos;
b) Vayu, com fluxo de 8 dedos;
c) Tejas, com fluxo de 4 dedos,
d) Prithivî, com fluxo 12 dedos e
e) Apas com fluxo de 16 dedos), em seguida

5 tattwas, portanto, duram (5 x 24=) 120 minutos que é igual a 2 horas ou seja um hora dupla.
12 horas duplas (1 dia) (120 min. x 12) é igual, portanto ao mesmo número do Zodíaco em minutos, ou seja, 1440 minutos.
Se multiplicarmos esses números pelo número de respirações por minuto (18), vamos encontrar que:

durante um tattwa o ser humano realiza 432 respirações (24 x 18= 432),
durante cinco tattwas (5 x 432) o ser humano realiza 2.160 respirações, que vem a ser o número de anos que o Sol leva para percorrer um signo zodiacal.
durante 60 tattwas. ou seja 1 dia (60 x 432) o ser humano realiza 25.920 respirações, ou seja, também o mesmo número, em anos, que o Sol leva para percorrer a eclíptica zodiacal ou realizar a precessão dos equinócios. Em minutos o resultado é o mesmo, ou seja, 1440 x 18 = 25.920.

Se fizermos estes cálculos em relação ao Zodíaco, vamos chegar, também, a números idênticos. Senão vejamos:

- sabemos que 1° (um grau) é igual a 4 minutos; logo:

1 tattwa (= 24 minutos) corresponde a 6° (6 graus)

como sabemos também que o Sol para percorrer 1° do Zodíaco leva 72 anos, verificamos que para percorrer 6°, o Sol leva 432 anos, algarismo igual ao número de respirações que fazemos durante um tattwa, ou seja, 24 minutos.
Da mesma forma, para percorrer 30° (um signo do Zodíaco) o Sol leva 2.160 anos, número igual ao de respirações que fazemos durante 5 tattwas e,
para realizar uma precessão do equinócio (360°), ou seja,  percorrer os 12 signos zodiacais, o Sol leva 25.920 anos que, como já vimos, é o número de respirações que fazemos em 60 tattwas, ou seja, durante o dia.

Além do exposto, o número 432, ou seja, o número de respirações que fazemos durante 1 tattwa (24 minutos x 18) e o número de graus da circunferência marcam todas as medidas de tempo da cosmogonia hindu. Trazemo-las à atenção de vocês para confirmarmos todos os cálculos até aqui apresentados.
Também é interessante explicar que a noção de duração do Universo dos hindus é muito maior do que a dos cientistas ocidentais, ainda estupefatos com as próprias conclusões de que o Universo teria mais de 15 bilhões de anos (na minha opinião é um Universo ainda jovem!), quando aqueles trabalham com medidas muito menores que as nossas (por exemplo, a menor medida de tempo, o Truti, para ser concebido por nossos conceitos, teria que ser multiplicado 26 2/3 para representar apenas 8/45 de um segundo) e, ao mesmo tempo, com durações fantásticas e inconcebíveis para as mentes ocidentais, atreladas ainda a possibilidade de conhecer a origem do Universo analisando apenas seus efeitos atuais, o que, para o verdadeiro ocultista, pode parecer uma quimera.
Os hindus concebem o Universo como a manifestação de um Ser, ao qual denominam Parabrahman e é Sua manifestação que regula tudo e todas as coisas do Universo, não somente daquilo que podemos conhecer (que é uma ínfima parte da realidade) mas, principalmente, daquilo que não temos condições de conhecer; senão, vejamos:

· 1 Mahayuga, (literalmente “grande idade”), que é a milésima parte de um “Dia de Brahmâ”, representa 4.320.000 anos solares e segundo os cálculos brahmânicos, é o somatório de quatro yugas ou idades, assim discriminadas:



Duração:
Graus da circunferência
Kali Yuga        =
1 x 432.000 anos  =
432.000 anos =
72o
Dvapara Yuga =
2 x 432.000 anos  =
864.000 anos =
144o
Treta Yuga      =
3 x 432.000 anos  =
1.296.000 anos =
216o
Krita Yuga      =
4 x 432.000 anos  =
1.728.000 anos =
288o
1 Mahayuga    =
10 = 432.000 anos =
4.320.000 anos =
720o

Mil Mahayugas = 1 Kalpa = Manvantara
1 Mahakalpa = 1 Grande Idade ou o Grande Ciclo =
Uma idade de Brahma
100 anos de Brahma representariam 311.040.000.000.000
(Trezentos e onze quatrilhões e quarenta trilhões) de anos solares, segundo o cômputo Brahmânico do Tempo.

·     Do que está acima, se pode inferir que:

a) 72 é o número de pulsações em 1 minuto, 144 o mesmo fato em 2 minutos, 216 em 3 minutos e 288 em 4 minutos;
b) Os 720° acima representam o tempo que o Grande Sol leva para percorrer 1 grau da Grande Circunferência ou Zodíaco Divino, o que pode ser melhor entendido quando consideramos que o dia é formado de 12 horas duplas (dia e noite) e o dobro de 720 dá 1.440 que é o número de minutos de 1 dia comum;
c) 1.728 é igual ao número de pulsações de um homem durante 1 tattwa, ou seja, o resultado de 72 pulsações por minuto durante 24 minutos;
d) 72.000.000 de MAHAYUGAS é igual a 311.040.000.000.000 de anos solares, que é igual a 100 anos de Brahma = 1 MAHAKALPA, ou seja, A Grande Idade ou Grande Ciclo e, ainda, o período de manifestação do Universo atual (porque já existiram outros);
e) 311.040.000.000.000 de anos solares ÷ 25.920 anos solares (1 precessão de equinócios ou o número de respirações que fazemos durante um dia) é igual a 12.000.000.000, ou seja, um Grande Ciclo ou 1 Mahakalpa, que corresponde a doze bilhões de vezes o percurso que o nosso Sol realiza em torno da eclíptica.
Como vemos, são números fantásticos, mas mais fantástico ainda é que este conhecimento faz parte de uma Ciência que acompanha os verdadeiros iniciados (ou seja, aqueles que conquistaram estados de consciência que ultrapassa de muito as atuais condições da mente, da maioria da humanidade).
Existem milhares de outros ritmos cíclicos ou periódicos acontecendo na natureza e no homem.  Citaremos apenas alguns e deixaremos o interesse de investigar de vocês para aumentar esta lista “ad libitum”:

1) Os 4 ritmos da respiração:

a) inalação -   PRIMAVERA = Fecundação
b) retenção -  VERÃO            = Geração
c) expiração - OUTONO        = Nascimento (dá frutos)
d) descanso -  INVERNO       = Morte

2) As manchas periódicas no Sol = cada 11 anos
3) As fases da lua, que modificam as marés e a iluminação    durante a noite noites
4) O dia e a noite.
5) A menstruação nas mulheres.
6) Os fenômenos das auroras boreais, etc, etc.  

O Ser humano é um Deus manifestado!
Pense nisso!


Panyatara

7 comentários:

  1. Gostei muito do texto!
    Tentei acompanhar com muita atenção os cálculos, mas são números que não tenho o costume de usar... ao final, acho que senti uma câimbra no cérebro :)
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Olá Juliano!
    Adorei seu comentário, principalmente quando diz sentiu câimbra no cérebro. É isso mesmo; nós seres humanos ainda não conseguimos nos entender como Deuses que somos e o maior impedimento é a percepção das grandezas que existem em nós e no Universo. Um átomo possui doze partículas fundamentais, sendo 6 designadas como força forte, ou seja os léptons (ou quarks, em seus seis "sabores") e os bárions (elétrons, múons e taus com seus neutrinos particulares). As distâncias entre o núcleo do átomo e seus elétrons se assemelham a distância entre a Terra e o Sol, existindo entre ambas espaços (aparentemente) vazios verdadeiramente fantásticos. Certa vez li um artigo de uma revista científica que dizia que um centímetro quadrado de pele humana possui cerca de 5 quintilhões de átomos. É realmente de dar câimbras no cérebro imaginar a quantidade de átomos existentes no corpo humano, mas, de forma interessante, tudo obedece uma lei maravilhosa e duas coisas são constantes, tanto no macro como no microcosmo: A VIDA e a INTELIGÊNCIA. Hoje as academias de fisicultura estão lotadas de seres humanas cujas mentes estão centradas em desenvolver a forma externa de sua realidade, ou seja, tentando desenvolver o corpo físico que já é um produto já acabado e redundante da qualidade de mente que exercitamos no dia a dia, em vez de desenvolver a mente, que poderia nos dar um vislumbre maravilhoso da VIDA que nos envolve, além de um veículo cada vez mais adequado para perceber ALGO que só poderá ser percebido por mentes sabiamente desenvolvidas. Existe uma coerência maravilhosa entre o Universo e o Ser humano, daí a frase existente no portal do Templo de Delfos que dizia assim:
    "Advirto-te, quem quer que sejas:
    -Tu que desejas sondar os Mistérios da Natureza.
    - Como esperas encontrar outras excelências, se ignoras as excelências de tua própria casa?
    - Em Ti, está oculto o tesouro dos tesouros.
    - Homem, Conhece-te a Ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses."
    Você possui uma qualidade imprescindível na Senda da Iluminação: a HUMILDADE! Cultive teus valores e verá que poderá conhecer Deus e o Todo o Universo e compreender tua função na Terra.
    Boa sorte para você e obrigado por ler meu BLOG
    PANYATARA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr. Panyatara,
      Além dos textos, sou muito agradecido por sua atenção e gentileza em responder as minhas perguntas, que acho tão básicas...

      Gostei da sua observação sobre o culto ao corpo que existe atualmente... mas entendo que não é o caso de abandonarmos totalmente os exercícios, acertei?

      Primeira vez que li a frase toda do Templo de Delfos, sempre vejo citações da última parte "Conhece-te a Ti mesmo...", gostei bastante!

      Sobre a humildade, quanto mais busco, mais entendo a frase "só sei que nada sei", além do mais, neste texto mesmo você nos explica o tamanho do macro :)

      Muito obrigado.

      Excluir
    2. Prezado Juliano:
      Estarei sempre ás ordens para atendê-lo, mas considero suas dúvidas muito inteligentes.Sobre o culto ao corpo acertou em cheio, pois o corpo é o Templo da Divindade e deve ser muito bem tratado e amado por seu possuidor. Uma mente sã só pode se manifestar num corpo são e isto é fundamental no desenvolvimento de nossas potencialidades internas. A humildade é um estado de consciência. Só através dela adquirimos o poder de ver a Deus face à face e nos tornamos verdadeiramente sábios.
      Nada me agradeça, pois caberia a mim fazê-lo pela oportunidade que me concede de poder repartir o que me foi dado por graça do meu Ser INTERNO.
      Panyatara

      Excluir
  3. Sr. Panyatara,

    Li novamente seu texto, com mais calma, acompanhando melhor, consegui compreender mais dessa imensidão :)
    Acho que não tinha entendido nada do tattwa, agora pude acompanhar.

    Já ouvi falar que a cada 2 horas muda-se o signo que esta nos influenciando no momento, é relacionado com "durante cinco tattwas (5 x 432) o ser humano realiza 2.160 respirações, que vem a ser o número de anos que o Sol leva para percorrer um signo zodiacal"? (afinal, 5 tattwas = 120 minutos = 2 horas)

    Agora, quando chegou em Parabrahman, a câimbra voltou :)
    Quem sabe em algum tempo, na terceira vez que eu ler, poderei entender melhor.

    Outra dúvida é sobre esse conhecimento dos hindus, achei eles muito inteligentes.
    Acredito que eles não desenvolveram esse conhecimento todo através de observações por microscópio, telescópio, etc
    Tem alguma pista a respeito?

    Novamente, obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Juliano:
      Agradeço sua presença no Blog, pois suas indagações redundam em respostas que muitas vezes auxiliam outros leitores, o que é muito importante para mim.
      Você tem razão em relação em relação aos números ao tempo destinado ao universo atual, que apenas cumpriu uma pequena etapa de sua evolução e ainda está em período de expansão. É difícil para nós, seres comuns, compreender o que seja um Universo, mas hoje a Ciência nos oferece panoramas de fantásticos em relação ao assunto pois informa que existem nos confins conhecido do mesmo mais de 300 bilhões de galáxias.e que se afastam uma das outras em velocidades superiores à da Luz. Quanto ao tempo, é uma medida apenas relativa, pois tudo depende da velocidade em que se processa o acontecimento que está sendo observado. Uma coisa interessante é que as Escrituras tem vasto material abordando o assunto e nos dá informação de que nosso tempo atual nunca foi o mesmo, pois houve época em que nosso Planetinha girava à uma velocidade muito maior do que a de hoje, daí que Matusalém teria vivido 969 anos, já Sem 600, Éber 464 e Isaque apenas 180 e tudo isto está escrito indicando que cada uma dessas personagens representam épocas diferentes, em que o tempo passava muito mais rápido do que hoje por causa da velocidade de rotação do planeta.
      Nem sempre a cultura humana esteve circunscrita a observação mental, ainda hoje incapaz de admitir as verdades espirituais por exigir a comprovação material do imponderável. A vida, que é atuante em todos os segmentos manifestados ainda carece de uma definição, entretanto estabelecem sobre seus efeitos regras e determinam situações sem conhecerem seus efeitos mais sutis. A ciência hindu jamais necessitou ou utilizou ciclotrons para conhecer as partículas da matéria, pois existem técnicas que permitem que o ser humano penetre em estado consciente no interior das partículas mais sutis da matéria possibilitando-lhe observar como funciona a totalidade do Universo e, o mais fantástico de tudo é que esta observação é realizada dentro do próprio corpo humano. A máxima "Homem conhece a ti mesmo e conheceras o Universo e os deuses" não é uma figura de retórica; ela é o único caminho para o homem comungar com Deus e as verdades do Universo. Por causa disso a religião dos sábios é o conhecimento de Deus.
      Meu abraço fraterno
      Panyatara

      Excluir
  4. Parabéns pela postagem e pelo blog. Conheci e gostei. Já estou me cadastrando como seguidor e coloquei-o no meu favoritos. Espero que tenha a curiosidade de me visitar em www.batebocamusical.blogspot.com.br, pois como você, aqui nós procuramos fazer também um trabalho de construção coletiva. Abração!

    ResponderExcluir